CONTAGEM REGRESSIVA

"... sabemos que a arte de nosso tempo, ela própria, no que tem de mais ousado, se coloca no horizonte do precário, desprezando o conforto das formas fixas e a tutela sereníssima do eterno." (Haroldo de Campos, na introdução do livro Pequena Estética, de Max Bense)


CUMPLICIDADE

terça-feira, 28 de março de 2017

CANTO


Um comentário:

Sylvio de Alencar. disse...

Nada de deixar a palavra de canto...
Temos de cantá-la!

Elas gostam de brincar com a gente quando brincamos com elas; podem ferir, entristecer, sempre cheias de significados mesmo quando os emissores são vazios, dizem muito sobre eles.

Outros as enriquecem, as valorizam, e levam em consideração os que a ouvem ou as leem.
É o seu caso.

Abraço.