CONTAGEM REGRESSIVA

"... sabemos que a arte de nosso tempo, ela própria, no que tem de mais ousado, se coloca no horizonte do precário, desprezando o conforto das formas fixas e a tutela sereníssima do eterno." (Haroldo de Campos, na introdução do livro Pequena Estética, de Max Bense)


CUMPLICIDADE

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

SEM TÍTULO




8 comentários:

cisco zappa disse...

o fim da
a
b
a
do poema


muito muitão!

grande rubeat!

um abração!

myra disse...

GOSTEI!!!! recebeu meu quadro?
abraços

RUBENS GUILHERME PESENTI disse...

opa, obrigado, zappa.
abração!

RUBENS GUILHERME PESENTI disse...

myra, vi a pouco o quadro... como te agradecer? já havia comentado sobre ele e o quanto me impressionou, mas agora queria falar mais uma vez sobre a sua generosidade e disponibilidade. ontem eu e a Mê falávamos sobre esses gestos e atitudes, que nas palavras de uma amiga só têm um significado: amor!!!
muito obrigado mesmo!
isso nos torna mais humanos.

beijo e abraço carinhosos.

MIRZE disse...

Rubens, meu eterno poeta!

Com uma palavra você traduziu meu sentimento.

Abate

Parabéns!

Mais um dos GRANDES!

Beijos

Mirze

RUBENS GUILHERME PESENTI disse...

oi, Mirze, tudo certinho com você?
Obrigado, menina!

beijão.

Cosmunicando disse...

seria uma redundância dizer que você matou a pau? tá bom, então digo que abateu a poema :)

RUBENS GUILHERME PESENTI disse...

mê, todo poema é um frigorífico de idéias. vamos abatendo e tendo e abatendo e tendo...

beijos