CONTAGEM REGRESSIVA

"... sabemos que a arte de nosso tempo, ela própria, no que tem de mais ousado, se coloca no horizonte do precário, desprezando o conforto das formas fixas e a tutela sereníssima do eterno." (Haroldo de Campos, na introdução do livro Pequena Estética, de Max Bense)


CUMPLICIDADE

sábado, 14 de fevereiro de 2009

CIRCULAÇÃO DO CAPITAL



14 comentários:

Moacy Cirne disse...

Pureza visual
para se entender
- na medida do possível -
a circulação diagonal
do capital.

Abraços.

Cosmunicando disse...

esse podia ser o gráfico-símbolo da atual crise mundial, por tanto que diz... mas também é atemporal, como tudo que é arte!

beleza, ru :-)
beijos

Ariane Rodrigues disse...

Irônico e pertinente. Abraço!

AL-Chaer disse...

Uma precisa e preciosa combinação de dois instrumentos clássicos do dia-a-dia do homem contemporâneo: os semáforos e os gráficos.

Ambos sinalizam. E, neste caso, representam, juntos, a decadência em função da atual crise financeira, com o capital globalizado se mostrando frágil, em queda, levando-nos a refletir sobre a desconfiança deste modelo neo-liberal, tão propalado como a liberdade(?!) econômica.

Rubens Pesenti ainda nos sugere uma "parada", com o sinal vermelho ao final do poema.

Mas leio este sinal de pare como uma indagação: como parar?

Parabéns, Rubens, por mais este poema.

AL-Braços
AL-Chaer

RUBENS GUILHERME PESENTI disse...

meus amigos, obrigado pelas palavras...
peço desculpas pela minha ausência nos blogs de todos vocês e por também não estar respondendo aos comentários de maneira como merecem... ando com uns impedimentos tecnológicos e tenho me ausentado das conexões virtuais.
obrigado a todos pelo carinho.
assim que possível estarei mais presente.
abraços e beijos a todos.

Jac. disse...

A Arte nos toca de 'formas' diferentes.
Cada diálogo com a alma
é sempre um novo diálogo. E essa
linguagem é de uma multiplicidade
muito grande!

Vejo aí um imenso 'jogo da velha'.
Onde só ganha o capital, pois as cores são
diferentes mas os interesses são iguais.

Grande abraço amigo de blog!
Nós já formamos uma 'nação'!

Mirse disse...

Que beleza, Rubens!

Estava sentindo sua falta!

A expressão de um gráfico econômico, poeticamente enquadrado.

Parabéns!

Abraços

mirse

Carmem Salazar disse...

Rubens, bom dia! :D

primeiro, saudade de falar contigo.
segundo, te dizer que tenho conhecido e me comunicado com blogueiros muito bacanas ( só alta estirpe... rs) ,muitas vezes direta ou indiretamente ligados ao teu blog. obrigada por ter me achado... tá valendo muito!

beijos

singamaraja disse...

Singamaraja readings your blogs

fernando disse...


está
as cores
do capital
a domensticação
das sensações
reduzidas ao
mínimo

sentido:
pare e não pense
recalcitre e não pense
avance e não pense

rubens

é sem sina

estamos!

fernando disse...

ei: aí estão as cores do capital!

reduzidas
como sempre
mas estão!

nina rizzi disse...

tal qual palavra a ser verificada
: veritasoptimis

Carmem Salazar disse...

pistas diferentes e a grana determinando o movimento mundial. o resto tudo cinza, o resto tudo "igual"...

Rodrigo M. Freire disse...

as luzes apagadas parecem moedas.